HomeInfo Center

Compliance

Compliance avança a setores técnicos como nova demanda de mercado

. Por Vanda Scartezini

 

Cresce dia a dia a demanda pelo que é compreendido como “compliance” tanto em relação a diferentes legislações como em relação às características técnicas exigidas pelos documentos legais geralmente relacionados a áreas técnicas.

 

Diferentes serviços são oferecidos no mercado, alguns tradicionais e mais custosos, outros mais atuais, online, mais precisos por mais abrangentes e ao mesmo tempo de custo menor e mais previsível.

 

Embora nem todas as empresas tenha despertado para esta nova demanda, a não conformidade identificada seguidamente nas análises de relatórios técnicos encaminhados a autoridades governamentais, resultam seguidamente em riscos econômicos às empresas.

“Compliance” como entendida modernamente é muito mais que simples auditorias, é uma análise detalhada dos procedimentos exigidos no cumprimente de determinada regra e de suas peculiaridades e possíveis interpretações. Bastante reconhecida como prática segura na área econômica, esta realidade é vista mais e mais no cumprimento de legislações especificas na área técnica, como é o caso da Lei de Informática.

 

Pela complexidade da legislação, seus detalhes e a possibilidade de diversas interpretações, as empresas signatárias dos compromissos da Lei de Informática, aceitam um risco cada vez mais presente, que merece atenção.

A legislação de Informática traz peculiaridades não apenas de cálculos financeiros detalhados e exigências de aplicações de recursos em diversas regiões e organismos, como na identificação, detalhamento e ajuste de interpretação dos itens válidos para serem considerados como válidos dentro da Lei, que inclusive sofrem mudanças com o tempo.

 

A “compliance” com legislações especificas com base técnica, como é o caso da Lei de Informática, garante às empresas que a têm adequadamente documentado, uma explícita defesa frente às possíveis e até frequentes glosas infringidas aos relatórios oferecido pelas empresas para a constatação do cumprimento das exigências legais e suas peculiaridades. Tais glosas tem impacto financeiro imediato na construção de longas defesas, e podem culminar com desastrosas perdas financeiras para as empresas.

 

As glosas podem ser geradas por simples falta de cumprimento da legislação vigente, por parte da empresa, como podem ser originadas por interpretação, pela Secretaria de Política de Informática, divergente da intenção da empresa ao relatar o cumprimento da mesma legislação.

As modernas consultorias de “compliance” oferecendo serviços online e análise crítica sobre os dados levantados geram, com mais confiança, dados que representam uma imediata defesa, objetiva e clara, do cumprimento das obrigações das empresas perante as autoridades constituídas.

 

A mitigação do risco nos casos das empresas comprometidas com a Lei de informática, da mesma forma que as comprometidas com outras legislações de base técnica estão diretamente ligadas à mudança de atitude empresarial, aplicando uma ação constante de “compliance” em relação aos procedimentos da empresa relacionadas a estas regras.

 

 

Matando o Mensageiro

 2+2 = 3 ?

O Judiciário brasileiro vem demonstrando cada vez mais o seu anacronismo e distanciamento em relação à realidade. Para o judiciário brasileiro a matemática, a tecnologia e a ciência devem seguir os seus ditames e convicções e não o contrário. 

Este é um mal que assola o país, o desprezo pela matemática, dado que decisões desprovidas de lógica e racionalidade tendem cada vez mais a causar o prejuízo da coletividade em prol de pequenos grupos de pressão, idiossincrasias jurídicas ou questões locais.|Leia Mais...