Pingos nos i´s

Chega ser cômico, se não fosse trágico, tentar traçar um paralelo entre os códigos que os homens da justiça constroem e os códigos de programação elaborados pelos homens da tecnologia. Ambos são incompreensíveis aos olhos dos leigos, mas os seus propósitos são bem  diferentes. Por Alice Ramos.

 

Destaques

Às vésperas da mais importante decisão a ser tomada neste país em décadas, que é o estabelecimento de um teto para os gastos públicos, vêm à tona as mais variadas demonstrações de irracionalidade e desapreço pela razão. O Brasil, é verdade, sempre desprezou a matemática, os números, a lógica e a razão. Em um lugar onde cada um cuida de lutar pela manutenção de seus privilégios e espaço na mídia, não importa se existe lógica ou não, vamos todos naufragando, alguns alegremente, outros não. Enquanto perdurar este tipo de discussão o Brasil estará muito longe de ser uma Nação, restringindo-se a ser um balaio de gatos, onde todos brigam e ninguém tem razão.

Matando o Mensageiro

 2+2 = 3 ?

O Judiciário brasileiro vem demonstrando cada vez mais o seu anacronismo e distanciamento em relação à realidade. Para o judiciário brasileiro a matemática, a tecnologia e a ciência devem seguir os seus ditames e convicções e não o contrário. 

Este é um mal que assola o país, o desprezo pela matemática, dado que decisões desprovidas de lógica e racionalidade tendem cada vez mais a causar o prejuízo da coletividade em prol de pequenos grupos de pressão, idiossincrasias jurídicas ou questões locais.|Leia Mais...